31 maio 2017

não vale a pena

Num dia em que não almocei, chego ao final da tarde esfomeado e, de certo modo, desorientado pela falta de cafeína que por esquecimento, primeiro e por distracção, segundo, acabei por não ingerir durante todo o dia. Mas essa hora final de tarde é já tarde para tomar café, pois as consequências dessa toma seriam catastróficas para essa noite e madrugada, mas acima de tudo, para o dia seguinte.
Portanto, até porque não sabia a que horas iria conseguir jantar, entrei num café para repor calorias. Azar, balcões expositores já vazios e onde sobreviviam dois ou três rissóis de caracter duvidoso e um único pão-de-chouriço, perdido num imenso tabuleiro. Sem hesitar, peço esse pão e uma Coca-Cola que, por outro azar, tem que ser uma Pepsi. Tudo bem, venha ela para absorver alguma cafeína. Três euros e vinte e cinco cêntimos que paguei e apenas pude beber, uma vez que o pão-sem-chouriço nem se conseguia trincar. Se calhar, não era por acaso que ainda ali estava para ser vendido... Ainda pensei reclamar e, às tantas, arranjar alguma confusão, mas fiquei quieto. Não vale a pena, já não me vale a pena. Saí desaustinado em direcção a uma máquina self-service, onde encontrei uma deliciosa sande-mista em pão-de-forma sem côdea.

26 maio 2017

X L I V

Numa conta sempre de somar, vamos juntando os dias e, por trágica multiplicação, as dores do corpo e da alma também.
Atenuadas apenas pela simples divisão de afectos e carinhos que, na subtração do porvir, vagarosos serão saboreados.

19 maio 2017

interminável senda

Com o propósito de colmatar velhas lacunas e ignorâncias conscientes do universo literário português, do mais clássico ao mais contemporâneo, mantenho esforço de recuperação dessas incomensuráveis falhas. Objectivo ambicioso e, acima de tudo, demorado. Esta noite, e por sugestão da amiga Joana, o objectivo é resgatar o dinaussauro excelentíssimo José Cardoso Pires.

na feira do livro de Vinhais

Hoje à tarde, no auditório da Casa da Cultura (Solar dos Condes de Vinhais), apresentando o meu livro na Feira do Livro de Vinhais. Entre alunos do ensino básico, secundário e superior sénior, mais alguns amigos, é sempre um prazer regressar, estar e ficar na nossa terra. Em Vinhais estarei sempre em minha casa.
Com apresentação do amigo João Cristiano Cunha e a recepção de Roberto Afonso, amigo e Vereador da Cultura da C. M. de Vinhais, mais um momento feliz e simpático na existência deste apurriar de dez anos.
Ainda que escassos, ficam alguns dos momentos do evento...

(a sala minutos antes)

(João Cristiano Cunha, Roberto Afonso e Luís Vale)

 (apresentação do João incluiu a recolha de grande parte das capas dos meus livros...)

(aqui, numa fotografia com qualidade, roubada aqui)

15 maio 2017

avarias

Mesmo sabendo e compreendendo que os objectos, os utensílios, equipamentos e electrodomésticos, se desgastam e estragam, é sempre um stress quando um deles avaria cá por casa. Detesto tê-los avariados ou estragados e, por isso, procuro sempre solucionar logo esses, maiores ou menores, problemas. Este mês tem sido um fartote de avarias e não-funcionamentos aos quais tenho tentado dar resposta, até que ontem foi a vez da velha televisão dar um estouro, deixando a minha criança num sobressalto com o susto e por lhe interromper o importante jogo de futebol que estava a jogar na PlayStation, assim como a casa a cheirar a plástico queimado para o resto do dia. Solucionado o problema do jogo da criança, tenho agora que resolver o que fazer e estas palavras apenas acontecem porque estou indeciso no que fazer... Compro ou não uma TV nova para substituir esta?! Se morasse sozinho, não tinha qualquer dúvida e o espaço que esta peça de museu ocupa, daria lugar para aconchegar mais alguns livritos, mas como partilho a habitação com mais pessoas, será difícil convencê-los a não ter televisão. Ainda assim, vou tentar.

14 maio 2017

tarde bem passada

À volta de livros velhos e antigos, a abrir armários e arcas carregadas de livros e escritos de alguém que nunca conheci, mas que logo percebi ter sido um leitor compulsivo, atento e interessado, que gostava de passar as suas horas vagas em prolongadas leituras, assim como um cidadão interventivo na comunidade em que vivia e era a sua, através do associativismo e da escrita em jornais e revistas regionais. A convite de um casal amigo, numa busca sem objectivo específico, apenas na esperança de poder ser surpreendido a cada momento, em cada capa ou em cada encadernação. Beneficiando da generosidade desses amigos, trouxe comigo duas dúzias de livros antigos, dois deles dos finais do século XIX sobre Ciência e Religião, Vitorino Nemésio, David Mourão-Ferreira e uma colecção de seis volumes, muito bem encadernada, sobre lendas nacionais, entre outros. Tal como sempre acontece, é com alegria e satisfação que vou reforçando o meu acervo.

13 maio 2017

querer e não poder, talvez, não dever

Tal como tenho afirmado, aqui e ali, permaneço muito atento às etnografias nascentes que me vão acontecendo ao longo dos dias. Pequenos nadas, instantes fugidios, rostos e corpos desconhecidos, que teimam em me excitar os sentidos e que converto em material de trabalho, em material para exercícios pantomineiros, em alimento para este meu Apurriar.
O impulso para o registo e para a escrita desses momentos e dessas personagens, muitas vezes obstrói-me o discernimento e, às tantas, tudo e qualquer coisa seria passível de publicação, por exemplo, neste espaço. Acontece que, avisado pelo juízo, aquilo a que alguns chamam razão e outros de senso (o bom), tenho contemporizado a publicação de alguns textos, pelo menos durante o tempo necessário para os ler, reler e, depois, dar a alguém a ler para a devida censura.
Esta hesitação e este melindre derrotam-me, retirando-me parte substancial do entusiasmo e da motivação para essa escrita, que se quer sempre atenta, espontânea e pungente. A verdade é que ao olhar para a "gaveta" [elemento estranho; vivo rodeado de prateleiras, suportes, apoios e armários; não há gavetas na minha vida] o monte de textos não publicados, ou melhor, não publicáveis, vai aumentando. Um destes dias vou olhar para eles com mais atenção. Relê-los e reescrevê-los de forma a os resgatar para uma qualquer forma de existência condigna. A ver vamos.

a propósito de Fátima, 13 de Maio, pastorinhos, azinheiras e afins

Com a exclusividade mediática conseguida, nos últimos dias, por esta visita do Papa Francisco a Fátima, veio-me à memória o primeiro momento em que tive conhecimento deste fenómeno. Foi enquanto criança, filho de bons cristãos e católicos praticantes, ao frequentar a catequese que ouvi, pela primeira vez, falar de uns pastorinhos a quem Nossa Senhora terá aparecido no cimo de uma Azinheira. Não devo ter percebido muito bem a história, mas recordo alguma estranheza pelos factos contados, pois eu também tinha primas e primos que eram pastores e eu próprio, nas férias, também ia com eles a pastorear os animais pelo monte, e nem por isso, alguma vez, tivéramos a visita de tal entidade...
O certo é que, por esses dias, depois de chegar a casa, comentei com o meu pai e, intrigado, quis conhecer a história dessas crianças. Pedi-lhe um livro sobre o assunto e, passados não muitos dias, recebi este livro que li com curiosidade e com expectativa de poder "compreender o mundo". Guardei-o e ainda hoje faz parte do meu acervo, sendo um dos meus primeiros livros. No seu frontispício escrevi apenas "Madalena" (localidade onde à época vivíamos), o que indica que está nas minhas mãos há mais de trinta anos. No canto superior direito, a lápis, a indicação do preço de 3$50.

12 maio 2017

pela primeira vez num festival literário



Aqui está o programa, em versão final, do III Festival Literário de Bragança. A minha vez será na tarde de dia 2 de Junho. Até lá.

09 maio 2017

a quem interessar...


Apareçam no Solar dos Condes de Vinhais. Eu vou lá estar.

08 maio 2017

LER da Primavera


Aí está mais um número da LER. Com vários atractivos e motivos para ser consumida nos próximos dias. Destaco, desde já, um dos manifestos de Francisco José Viegas, pela sua pertinência e objectividade...

03 maio 2017

apurriar em Vinhais

No próximo dia 19 de Maio estarei em Vinhais a apresentar o "Apurriar (2007-2017)", na Feira do Livro de Vinhais. O livro será apresentado pelo ilustre e amigo João Cristiano Cunha. Até lá.